30.10.15

A comida das avós


"Come mais um bocadinho, estás tão magrinha!" era a típica frase que tinha tanto de irritante como de afectuosa. Podia ter acabado de comer um prato maior do que eu que as minhas avós diziam sempre isto.
Deixei de ouvir esta frase aos 19 anos e percebi que a partir desse momento já não tinha mais avós [talvez por isso, sempre que vejo alguém que não dá a devida importância à avó, não consigo deixar de pensar que não sabem a sorte que têm].

As avós são fundamentais na nossa vida. São preocupadas, disponíveis, generosas e têm em comum uma grande característica: aqueles pratos que fazem como ninguém e que nem mesmo as nossas mães conseguem reproduzir (apesar de pensarem que sim). 
A comida das avós tem um sabor único que nos enche a alma. É uma espécie de "comida encantada" que invade a nossa memória desde cedo e se instala para sempre. Os pratos da minha avó materna que mais me marcaram foram a "sopa amarela", o arroz de manteiga e uma feijoada só com feijão e enchidos. Os da minha avó paterna eram os que levavam feijão e um bolo que ela fazia para o qual peneirava dedicadamente a farinha de sorriso nos lábios.

Depois dos meus 19 anos, a minha única referência de avó era a da minha melhor amiga. Uma matriarca a quem até os de fora chamavam carinhosamente de avó. Há coincidências extraordinárias ao longo da vida, uma delas foi o facto dela fazer um arroz muito aproximado do arroz de manteiga da minha avó. Infelizmente também esta avó já não está entre nós.

Apesar dos seus pratos terem uma espécie de super-poderes, as avós não têm e por isso não duram para sempre. Aproveitem bem as vossas, tentem descobrir todos os segredos das suas receitas, sempre com a humildade de aceitarem que feitas por vós nunca ficarão iguais. Há quem diga que é a mão da própria pessoa... Eu acredito que sim, porque como escreveu Mia Couto "Cozinhar é um modo de amar os outros" e não há amor igual ao das avós.


[P.S. Às minhas avós: continuo magrinha]

28.10.15

Novo workshop vegetariano com a Isabel

Ontem tentei adaptar à Bimby a minha receita preferida do workshop da semana passada: feijoada branca de pleurothus. Foi uma versão "meia bola e força" e claro que não era igual à da Isabel mas se algum dia ela me deixar, eu partilho esta adaptação [depois das devidas afinações que ainda tenho de fazer].


Agora as boas notícias: já há nova data para mais um workshop vegetariano com a Isabel! Será um especial de Natal no dia 19 de Dezembro. Inscrições e outras informações aqui.

Um conselho: não percam.

25.10.15

Workshop vegetariano com a Isabel


Ontem foi mais um dia de aprendizagem, como eu gosto. Dia de assimilar informação num workshop muito saudável de culinária vegetariana com a Isabel Seabra e a Catarina Beato.
Um dos muitos motivos pelos quais eu gosto da Isabel, é a capacidade que ela tem de fazer receitas aproximadas das que os não vegetarianos - como eu - fazem no dia-a-dia. Receitas simples mas que resultam muito bem e nos deixam saciados, sem aquela sensação de que daqui a uma hora vamos precisar de comer um bife! Gosto destes pratos com sabores familiares que o nosso paladar não rejeita, apesar de não serem nem carne nem peixe (no bom e verdadeiro sentido da expressão).

As imagens dão apenas uma ideia das maravilhas confeccionadas pela Isabel, mas o melhor mesmo é ir!

© Catarina Beato


EMENTA

Tarte de beterraba e queijo feta

Rolo de tofu com broa

Feijoada branca com pleurothus


Pudim de romã, chia e côco

Bolinhas de amêndoa, tâmaras e tahini


Se tivesse de eleger a melhor receita, escolheria a feijoada. Um prato aconchegante, ideal para esta época do ano.

Para os interessados, fiquem atentos às novidades através do blog da Catarina - Dias de uma Princesa. Já aqui falei muitas vezes da Isabel mas considero que no meio de tanta oferta a nível de workshops (hoje em dia toda a gente dá formações de tudo e mais alguma coisa), torna-se importante saber escolher e conhecer quem está do outro lado. Sou suspeita porque já conhecia a Isabel muito antes dela começar a partilhar os seus conhecimentos através dos workshops com a Catarina mas, uma coisa é certa, a Isabel é das melhores cozinheiras de culinária vegetariana que algum dia conheci! Percebe do tema como poucos, tem resposta para todas as perguntas e transmite os seus conhecimentos de uma forma muito clara.
Quem ainda não fez nenhum workshop com a Isabel não imagina o que anda a perder.


NOTAS DA FORMIGA:
Assim que comecei a escrever este post, percebi que a importância da Isabel já é tão grande que fiz uma etiqueta para o blog com esse mesmo nome... "A Isabel".

22.10.15

Mini quiches

Depois de ter comprado 4 mini-tarteiras das quais falei aqui, faltava apenas experimentá-las com uma receita rápida e infalível. 
Saiu uma espécie de quiche lorraine "aldrabada" mas igualmente boa. Uma vez que a massa quebrada leva manteiga, não é necessário untar as formas, pelo que se torna ainda mais rápido. É também uma receita prática para quem organiza as ementas semanais ao fim-de-semana, ou mesmo para quem leva marmita para o trabalho. Podem fazer e congelar.


MINI QUICHES DE FIAMBRE E QUEIJO
(Rende 4)


Ingredientes para a massa:
- 75g manteiga fria cortada em cubos
- 150g farinha
- 1/2 colher de chá de sal
- 30g água

Ingredientes para o recheio:
- 50g queijo
- 200g fiambre (peça para cortarem uma fatia grossa na charcutaria)
- 4 ovos
- 50g leite
- 1 iogurte natural (ou 100g de natas - pode usar natas de soja)
- 1 pitada de sal e pimenta

Preparação:
1. Pré-aqueça o forno a 180º
2. Coloque no copo todos os ingredientes para a massa e programe 20 seg/ vel. 4
3. Retire a massa do copo, divida em 4 e forre as mini-tarteiras. Fique com um garfo e reserve.
4. Coloque no copo o queijo e rale 10 seg/ vel. 7. Retire e reserve.
5. Corte o fiambre de grosso modo, coloque no copo e pique 5 seg/ vel. 4. Retire e distribua pelas mini-tarteiras.
6. Coloque no copo os ovos, o leite, o iogurte, o sal e a pimenta e bata 30 seg/ vel. 4. Distribua este preparado sobre as mini-tarteiras.
7. Polvilhe com o queijo ralado e leve ao forno cerca de 25 minutos.

Sirva acompanhado com uma salada.


NOTAS DA FORMIGA:
- Esta é uma boa receita para aproveitar as sobras de frango assado. Basta substituir a mesma quantidade de fiambre por frango desfiado.

21.10.15

O bilhete de identidade dos ovos

Já todos reparámos que os ovos de compra vêm identificados com um carimbo que contém uns dígitos e umas letras, mas será que sabemos o que querem dizer?

Desde 2004 passou a ser obrigatório na União Europeia que todos os ovos comercializados fossem vendidos com este código identificador. Esta espécie de bilhete de identidade tem a função de informar o consumidor sobre a proveniência dos ovos, data de validade e ainda a qualidade de vida dos animais que os produziram. Se não tiverem este código, poderão ser de produção particular ou então provenientes de fora da União Europeia, onde as regras são diferentes.

Desafio todos a irem buscar um ovo para conhecerem o seu "bilhete de identidade".

Exemplo de um código: 3PT3-031

• O primeiro número que consta no carimbo indica o modo de criação das aves:

0 = ovos de galinhas de criação biológica
1 = ovos de galinhas criadas ao ar livre
2 = ovos de galinhas criadas no solo
3 = ovos de galinhas criadas em gaiolas

Código 0 - Galinhas criadas ao ar livre que têm ainda à disposição um espaço interior para pernoitarem ou para se abrigarem. A sua alimentação é de origem biológica, livre de antibióticos.



Código 1 - As galinhas são criadas ao ar livre em condições semelhantes às descritas no código 0, o que assegura a qualidade dos ovos e boas condições de vida dos animais. Muda o tipo de alimentação, que passa a ser à base de ração industrializada.


Ovos Matinados - Código 1

Código 2 - Apesar de não estarem encerrados em gaiolas, os animais encontram-se num extenso galinheiro sem a possibilidade de saírem para o exterior, com um espaço de aproximadamente 10 galinhas por m2, o que dá para pouco mais que comer, beber e pôr ovos. A sua alimentação é feita à base de produtos processados industrialmente.


Ovos do Solar - Código 2

Código 3 - São os ovos mais comuns, mais baratos e também os menos saudáveis, produzidos por galinhas alimentadas à base de rações industriais e transgénicas (milho, soja e trigo) às quais são adicionados antibióticos e hormonas de crescimento. Passam toda a vida adulta em gaiolas sem espaço sequer para caminhar. A iluminação é modificada para dar a ilusão às galinhas de mais horas de sol, tornando-as mais produtivas.


Ovos Pingo Doce - Código 3

Tanto no caso do código 2 como no código 3, o bico das galinhas é cortado uma vez que as suas deficientes condições de vida são propícias a situações de stress que as levam a desenvolver frequentemente comportamentos anormais, como o ataque a outras galinhas ou a auto-mutilação.

• As duas letras seguintes indicam o país de origem:

PT = Portugal
ES = Espanha
IT = Itália
FR = França
DE = Alemanha
BE = Bélgica
GB = Reino Unido
...

• O dígito seguinte indica qual a Direcção Regional de Agricultura onde a exploração se encontra registada (assegura que o produto está aí certificado)

• Por fim, os últimos 3 dígitos identificam o código da exploração


Apesar de serem mais caros e menos comuns, os ovos com o código 0 ou 1 são os que asseguram o bem-estar dos animais que os produziram. No entanto, os de código 0 são os mais saudáveis. Estão normalmente disponíveis em supermercados biológicos, como é o caso do Brio ou Miosótis, mas poderão encontrá-los noutras superfícies.

Se adquirirem estes ovos numa grande superfície, tenham sempre o cuidado de confirmar se o conteúdo da caixa corresponde à embalagem. Não seriam os primeiros a deparar-se com ovos dos mais baratos em lugar dos biológicos (poderá sempre haver alguém com estas "ideias de génio" de trocar os ovos de caixa com a finalidade de pagar menos).

20.10.15

Compras saudáveis com a Isabel

Sábado, 17 de Outubro
11:30 - Supermercado Brio, Picoas

Enquanto lá fora está um dia cinzento e chuvoso, eu e a minha gabardine amarela estilo Capitão Iglo somos calorosamente recebidas no Brio pela Catarina Beato. Atrás dela está a Isabel (do blog Love with knives) de quem já falei tantas vezes por aqui. Vai ser ela a dar o workshop sobre compras saudáveis organizado pela Catarina. Tem tudo para correr bem, a Isabel é uma enciclopédia ambulante!

Pertenço aquele grupo de pessoas sedentas por informação, pois acredito que o conhecimento é a nossa melhor arma. Sempre que estou com a Isabel apercebo-me de que ainda tenho muito para aprender sobre este mundo da alimentação saudável, por isso mesmo não podia perder este workshop.
O cenário era o melhor possível: um supermercado biológico. Tiro o meu bloco de notas do bolso (vou precisar dele!). Farinhas, leites, iogurtes, pão, fruta e legumes, óleos, manteigas e até mesmo básicos como sal e azeite, tudo o que havia no Brio foi passado "a pente fino" pela Isabel sob o nosso olhar atento.
Aprender a ler os rótulos dos produtos de forma a saber o que devemos ou não comprar, os ingredientes presentes em cada alimento e as "rasteiras" que devemos evitar em cada embalagem. Foi sem dúvida um workshop muito útil (vão repetir por isso fiquem atentos ao blog da Catarina - Dias de uma Princesa). Infelizmente não tirei fotografias mas podem ver tudo aqui.

A propósito de tudo o que aprendi, deixo aqui o link para um post da Isabel chamado "Biológico, Bio, Ecológico e Integral". Muito elucidativo para quem tem dúvidas em relação a estas designações e que nos esclarece também sobre a importância de adquirirmos produtos mais saudáveis.

18.10.15

Como descascar romãs na Bimby

Não tenho dúvidas de que a Bimby é o melhor robot de cozinha e por isso gosto sempre de descobrir novas funcionalidades.
Quando vi este vídeo fiquei surpreendida como em apenas um segundo podemos separar as sementes da casca da romã!


Claro que tive de ir experimentar... 
Deixo aqui este simples processo, passo a passo:



1. Coloque na Bimby a romã cortada em quartos e programe 1 seg/ colher inversa/ vel. 4
Se necessário repita o processo (apenas 1 seg. de cada vez)


2. Retire da casca as restantes sementes (a maior parte delas já estão soltas)


3. Baixe com a ajuda da espátula o que ficou nas paredes do copo 


4. Coloque água para que os restos da casca venham ao de cima e retire-os



E já está!

16.10.15

Dia Mundial da Alimentação - vamos às compras?


No Dia Mundial da Alimentação partilho convosco umas compras básicas que fiz esta manhã na minha frutaria de eleição perto de casa [curiosamente, de uns chineses] e as diferenças de valores para uma grande superfície. Esta frutaria tem sempre muita variedade e tudo com muito melhor aspecto do que qualquer hipermercado.

No meu pequeno cabaz, apenas para duas pessoas, trouxe coentros, alface, curgete, cogumelos, pimento vermelho, pêssego maracotão, limão, lima, manga e romã, tudo por 4,76€*

*O preço por Kg está descriminado por cima do respectivo produto.
**No talão aparece duas vezes "limão". O de baixo corresponde à lima.

Agora vejamos as diferenças de preços para os hipermercados (acreditem que vão ficar de boca aberta com o preço da romã!):

Alface

NOTA: apensar de no talão aparecer 1,29€/Kg, aqui vendem a alface à unidade
Frutaria: valor unitário 0,45€ // Continente: 0,99€/Kg


Curgete

Frutaria: 1,29€ // Continente: 1,49€


Cogumelos frescos

Frutaria: 3,59€ // Continente: 5,49€


Pimento vermelho

Frutaria: 1,59€ // Continente: 2,29€


Limão

 Frutaria: 1,99€ // Continente: 2,19€


Lima

Mercearia: 2,29€ // Continente: 2,99€


Manga

Frutaria: 2,29€ // Jumbo: 2,49€


Romã

Frutaria: 0,99€ // Continente: 4,49€

[comparação de preços feita hoje através das lojas online do Jumbo e Continente]


E o mais interessante...

Coentros

Frutaria: OFERTA // Continente e Pingo Doce: 0,89€


Para terminar, resta saber quanto me custaria este mesmo cabaz numa grande superfície (sublinho que, por exemplo, no caso da manga, escolhi a mais barata para fazer esta comparação de preços, no entanto, o preço médio é de 2,99€, e uma vez que não encontrei online o pêssego maracotão, coloquei o mesmo valor que paguei na frutaria):

Alface: 0,45€
Curgete: 0,60€
Cogumelos: 1,73€
Pimento: 0,44€
Pêssego: 0,53€
Limão: 0,34€
Lima: 0,30€
Manga: 1,21€
Romã: 0,83€
Coentros: 0,89€

TOTAL:  7,36€

Num cabaz tão pequeno como o meu, com pouco mais de meia dúzia de produtos, tenho uma poupança mínima de 2,60€. Para alguns, esta diferença pode não ser muito expressiva, mas se considerarmos que as quantidades que adquiri foram pequenas e que vou à frutaria 2 a 3 vezes por semana, a poupança já representa 5,20€ a 7,80€/semana! Vezes 4 semanas = 20,80€ ou 31,20€/semana.
Aqui em casa somos só dois, agora imaginem este cenário para quem tem famílias grandes...

Por vezes, acreditamos que fazer as compras dos frescos em grandes superfícies é mais barato mas aqui está a prova de que nem sempre é verdade. No meu caso, não só foi mais económico como a qualidade é incomparável. E curiosamente, a oscilação de preços também não é tão grande.
É verdade que por vezes as mercearias de bairro têm valores ligeiramente inflacionados, no entanto, se perderem algum tempo a procurar, podem ser agradavelmente surpreendidos.

15.10.15

Boas aquisições #01

Uma das minhas lojas de decoração preferidas é a area. Tem produtos diferentes, amigos de todas as carteiras e, regra geral, de boa qualidade. Quando quero procurar um presente original ou apenas fugir aos "clichés" IKEA, é sempre aqui que venho.

Na semana passada fui espreitar a nova colecção e estas mini-tarteiras em cerâmica começaram a acenar para mim! No ano passado já andava a namorar a grande e este ano vieram as pequenas.
Gosto de loiça prática e funcional que dê para o dia-a-dia e também para ir à mesa no caso de receber visitas ou de levar para casa de alguém.

Estas obedecem à regra dos três B's: bom, bonito e barato [1,99€/cada].



11.10.15

Importância das frutas, legumes e verduras da época

A fruta e os legumes são essenciais para uma alimentação saudável e equilibrada, por isso mesmo deveríamos consumir no mínimo 400g por dia (o equivalente a 5 porções).

Todas as frutas e legumes têm uma época própria e, muito embora seja possível consumi-las noutras alturas do ano, certo é que ao escolher os produtos da estação estará a aproveitar todo o seu sabor e uma melhor relação qualidade/preço.

Para além disso, a mãe natureza não deixa nada ao acaso: a época de cada alimento está também associada às necessidades do nosso organismo. Na Primavera e no Verão aparecem frutas com maior teor em água para ajudar na hidratação; no Outono é a época dos frutos mais energéticos (como é o caso da castanha e da noz) que ajudam o organismo a preparar-se para o frio; já no Inverno surgem frutas e legumes ricos em vitamina C, como é o caso dos citrinos, para combater gripes e constipações.

Por vezes, também eu tenho algumas dúvidas relativamente à época de cada alimento, por isso mesmo fiz duas tabelas que poderão imprimir para vosso auxílio: uma relativa a frutas e outra sobre produtos hortícolas. Até porque o sucesso das nossas receitas depende muito da qualidade dos produtos que usamos.



A título de exemplo, soube recentemente que a Padaria Portuguesa deixou de fazer sopa com abóbora no Verão porque esta azedava muito depressa.

Mas consumir produtos fora da época tem outros inconvenientes:
- Os alimentos crescidos em estufa não são tão ricos em vitaminas e nutrientes como os da estação, contendo um maior número de substâncias nocivas à saúde como pesticidas e fungicidas;
- Apresentam uma maior acidez e, consequentemente, sabores mais amargos;
- Frutas importadas passam muito tempo em transportes, o que diminui a sua riqueza nutricional.

Em suma, aqui ficam as principais vantagens de consumir os produtos da estação:
- melhor relação qualidade/preço;
- elevada qualidade nutricional;
- o sabor dos alimentos está no seu expoente máximo;
- fornecem-nos os nutrientes que devemos consumir de acordo com a época;
- possibilidade de adquirir directamente a pequenos produtores, fomentando a economia local.

Índice de Receitas - Revista Bimby nº 59 (10/2015)


ENTRADAS

• Coleslaw de couve-roxa com maionese
• Crackers de centeio e tomate seco
• Gougères

SOPAS

• Creme de castanhas e cogumelos
• Sopa rica

PRATOS DE PEIXE

• Empadas de camarão
• Linguini com camarão e cogumelos
• Pataniscas de polvo
• Pudins de peixe
• Salada de batata com atum e ovo

PRATOS DE CARNE

• Croquetes surpresa
• Curgetes recheadas com arroz e carne
• Empadão de arroz

PRATOS VEGETARIANOS

• Calzone de cogumelos e mozarela
• Croquetes de queijo e espinafres
• Empadão de milho painço
• Salsa romanesco
• Spatzle - Massa de ovo com molho de tomate e queijo
• Trouxas de legumes

OUTROS

• Creme de cenoura e tortilha de espinafres

BOLOS E SOBREMESAS

• Arroz-doce de leite condensado
• Bolachas de frutos secos
• Bolachas-dentadura
• Bolo de chocolate cozido duas vezes
• Bolo de mel e noz
• Bolos-fantasma
• Cupcakes de banana
• Cupcakes de sementes de abóbora
• Garibaldis
• New York cheesecake
• Pêras a vapor com massa folhada
• Queques de mel e frutos secos
• Queijadas de Sintra

CRUDIVORISMO E COSMÉTICA

• Guacamole
• Raw "nachos"
• Smoothie de abóbora e manga
• Tangerinas com chocolate e flor de sal

• Hidratante "antifrizz"
• Esfoliante capilar

SEM GLÚTEN

• Pão rústico sem glúten
• Pudim de ovos

10.10.15

Cogumelos gratinados recheados com farinheira

Ontem não tinha planeado nada para o jantar por isso recorri ao que havia no frigorífico. Saltaram-me à vista os cogumelos frescos (que costumo ter sempre e adoro) e a farinheira. Sem seguir nenhuma receita, deitei mãos à obra e saíram uns cogumelos recheados com farinheira, gratinados no forno com béchamel e queijo ralado. Aprovados!


COGUMELOS GRATINADOS RECHEADOS COM FARINHEIRA
 

Ingredientes
- 300 a 400g de cogumelos frescos
- 20g azeite
- 3 dentes de alho
- 100g farinheira
- 25g azeite
- queijo ralado
- orégãos ou tomilho

Para o béchamel:
- 250g leite
- 25g farinha
- 5g de azeite ou manteiga
- sal, pimenta e noz moscada q.b.

Preparação:
Pré-aqueça o forno a 180º
1. Lave bem os cogumelos e retire o pé. Disponha-os num pyrex.
2. Retire a pele à farinheira e corte-a de grosso modo.
3. Coloque no copo 25g de azeite e com a bimby em funcionamento na vel. 5, acrescente os dentes de alho um a um, tapando sempre com o copo de medida. Depois de triturados, refogue 3 min/ 100º/ vel. 1
4. Acrescente os pés dos cogumelos e triture 2 seg/ vel. 5. Baixe com a ajuda da espátula o que ficou nas paredes do copo, tempere com orégãos (ou outra erva aromática a gosto) e refogue 5 min/ 100º/ vel.1
5. Acrescente a farinheira e programe 3 min/ 100º/ vel. 1. Recheie os cogumelos com o preparado.


6. Sem lavar o copo, coloque todos os ingredientes para o béchamel e programe 5 min/ 90º/ vel. 4
7. Distribua sobre os cogumelos e polvilhe com o queijo ralado. Leve ao forno cerca de 20 a 30 minutos (até ficarem dourados por cima).

Sirva acompanhado com arroz branco ou uma salada.

8.10.15

Tudo o que precisa saber sobre Queijo Quark

 O QUE É? 

É um tipo de queijo fresco, branco, cremoso e levemente ácido, com uma textura semelhante à do iogurte grego natural.

 BENEFÍCIOS / VANTAGENS 

Trata-se de um ingrediente extremamente versátil com inúmeras utilizações culinárias, doces ou salgadas. É ideal para refeições leves por se tratar de um alimento pouco calórico, com alto valor nutricional e praticamente isento de gordura.
Pelos seus benefícios, tornou-se muito popular no mundo do fitness pois é uma excelente opção para quem procura uma alimentação saudável e saborosa.

 UTILIZAÇÕES 

- Pequeno almoço: barrar no pão; adicionar a uma taça com fruta e/ou com açaí
- Substituto da maionese (patês, salada russa)
- Substituto das natas (gelados, mousses, quiches)
- Molho para saladas frias, temperado com ervas aromáticas ou outros condimentos
- Triturando com fruta congelada obtemos um gelado cremoso e saudável
- Snacks para durante o dia ou antes de ir dormir
- Topping de panquecas ou waffles

NOTA: Por apresentar uma ligeira acidez, não combina tão bem com citrinos.

 ONDE ENCONTRAR 


• Lidl
• Aldi (onde adquiri o meu por 0,99€ - 500g)
• El Corte Inglés
• Continente


RECEITAS

GELADO DE CEREJA E QUARK

 
Ingredientes:
- 500g cerejas congeladas (ou outra fruta)
- 150g queijo quark
- 80g açúcar amarelo

Preparação:
Coloque no copo todos os ingredientes e programe 1min e 30seg/ vel. 9, mexendo com a ajuda da espátula.

NOTAS DA FORMIGA:
- Assim que introduzimos os ingredientes no copo da Bimby, devemos fazer a receita de forma rápida para que as lâminas não prendam com a fruta congelada. Se isso acontecer, dê uns toques com o Turbo para desfazer grosseiramente os pedaços maiores.
- Retire do congelador uns minutos antes de servir.


PANQUECAS COM QUARK E FRUTA


Para esta receita experimentei umas panquecas de aveia do blog S de Salada. No entanto, deixo também a receita de panquecas tradicionais.

Ingredientes para a massa (receita do Livro Base):
- 150g farinha
- 1/2 colher de chá de sal
- 50g manteiga
- 50g açúcar
- 200g leite
- 2 ovos
- 1 colher de chá de fermento em pó p/ bolos

Preparação:
1. Coloque no copo todos os ingredientes e programe 15 seg/ vel. 6
2. De seguida, unte uma frigideira pequena com manteiga e aqueça ao lume. Coloque uma concha da massa preparada, quando começarem a sair pequenas bolhas na superfície, vire e aloure o outro lado.

Sirva barrado com o queijo quark e com fruta a gosto (sugestão de apresentação: pêssego maracotão)