29.1.16

Granola Lola

É assim que me apresento ao mundo: uma formiga com bicho carpinteiro. E não é por acaso... Não consigo estar muito tempo sem fazer qualquer coisa diferente. 

A mais recente: Granola Lola, uma marca de granola caseira 100% natural. 


Decidi aventurar-me neste novo projecto pois sou da opinião que uma alimentação saudável não é uma moda e sim um hábito. Tudo o que fazemos por convicção tem uma continuidade e quando seguimos este caminho, dificilmente voltamos atrás. Tomar consciência das opções mais saudáveis e inseri-las no nosso dia-a-dia é, a longo prazo, um investimento na nossa saúde.

Começando por um bom pequeno-almoço, a refeição mais importante do dia. Desde que substituí os cereais de pequeno-almoço por granola caseira que sinto grandes diferenças. As principais: fico sem fome durante mais tempo e tenho mais energia. A sua composição rica em frutos secos, sementes, cereais ou fruta desidratada [dependendo das versões], fornece-nos uma boa dose de fibras e nutrientes necessários para o bom funcionamento do organismo. E a melhor parte é que podemos variar conforme os ingredientes que mais apreciamos.

Uma boa granola, feita com ingredientes de qualidade, não pode ser barata. Se lermos a sua composição e somarmos todos os ingredientes, facilmente constatamos o porquê. No entanto, tenho vindo a aperceber-me que, apesar de ter cada vez mais adeptos, nem toda a gente compra por conhecer apenas versões mais caras. Por outro lado, algumas granolas de supermercado contêm adição de açúcares, o que é totalmente desnecessário. Há sempre a opção de fazer em casa mas nem toda a gente tem tempo ou paciência para confecionar todas as semanas. 

E foi por isso que surgiu esta ideia. A Granola Lola pretende, acima de tudo, ser uma marca honesta, com produtos de qualidade a um preço acessível. Porque a alimentação saudável não deve ser um luxo. 

Para já, estão disponíveis quatro versões em três tamanhos: 250 g, 500 g  e 1 Kg.






28.1.16

Caril de grão e abóbora

A falta de planeamento das refeições é um dos principais factores que nos levam a ter uma alimentação menos correcta. Quando a fome aperta, acabamos por comer/fazer o que é mais rápido ou ir aos sítios que estão fisicamente mais perto de nós, conduzindo-nos muitas vezes a escolhas menos saudáveis. Por esse motivo, este ano tenho tentado ao máximo programar tudo com antecedência.

Ontem, depois de quase um mês sem computador [o mesmo que dizer a minha fonte de rendimento], tive finalmente o meu iMac de volta! Para compensar o tempo perdido, embrenhei-me no trabalho em atraso e, perto da hora do almoço, lembrei-me que não tinha nada preparado para esta refeição. Trabalhar em casa tem muitas vantagens mas também alguns contras, um deles é a gestão do tempo.
Apeteceu-me improvisar um prato quente e reconfortante para enfrentar mais um dia cinzento e frio. Costumo ter sempre em casa frascos com feijão ou grão cozido, pois permitem preparar uma refeição rápida e nutritiva quando os dias são passados a correr. E, como ainda tinha metade de uma abóbora oferecida pela minha querida Isabel, foi a combinação perfeita!

Saiu um caril muito simples, com o que tinha em casa no momento, ao estilo fast food saudável. Foi tudo tão rápido que até a fotografia foi tirada a correr!


CARIL DE GRÃO E ABÓBORA
[Para 4 pessoas]


Ingredientes
- 1 cebola
- 2 dentes de alho
- 30g azeite
- 2 colheres de sopa de caril
- 1 colher de chá de gengibre
- 1 colher de chá de cominhos
- 150g tomate pelado ou polpa de tomate
- 200g água [se preferir, poderá utilizar leite de coco]
- 50g vinho branco
- 200g abóbora cortada em cubos pequenos
- 1 lata grande de grão cozido
- Sal q.b.

Preparação
1. Coloque no copo a cebola, o alho, o azeite, o caril, o gengibre e os cominhos, pique 5 seg/ vel. 5 e refogue 5 min/ Varoma/ vel. 1
2. Junte o tomate e programe 5 min/ 100º/ vel.1
3. Adicione a abóbora e programe 10 min/ 100º/ colher inversa/ vel. colher
4. Adicione a água, o vinho branco e o grão, tempere com um pouco de sal e programe 10 min/ 100º/ colher inversa/ vel. colher.

Sirva com arroz branco.

27.1.16

Mini-éclaires

Estes mini-éclaires são muito versáteis pois trata-se de uma massa que combina com doces e salgados. Poderá aproveitar esta ideia para acompanhar um chá ou mesmo para surpreender a família e os amigos num almoço ou jantar - como entrada em versão salgada ou numa doce sobremesa. Inspire-se e invente!

Devido aos tempos de repouso e de cozedura, esta receita requer cerca de 1h30m por isso recomendo que a faça apenas quando tiver tempo. Quando vir o resultado, tenho a certeza que se vai sentir como um verdadeiro mestre de pastelaria!


MINI-ÉCLAIRES
[Rende cerca de 15 miniaturas]



Ingredientes:
- 80g farinha tipo 65
- 120g água
- 50g manteiga
- 1/2 colher de chá de sal
- 1 pitada de açúcar
- 2 ovos médios

Preparação:
1. Coloque um recipiente sobre a tampa da Bimby, pese a farinha e reserve.
2. Coloque no copo a água, a manteiga, o sal e o açúcar e aqueça 4 min/ 100º/ vel. 1
3. Adicione a farinha de uma só vez e misture 15 seg/ vel. 4. Retire o copo da base e deixe arrefecer cerca de 20 minutos.
4. Coloque num recipiente os ovos, bata com a ajuda de um garfo e reserve.
5. De seguida bata 30 seg/ vel. 4 e adicione através do bocal da tampa os ovos batidos. Retire a massa para um saco de pasteleiro e deixe repousar cerca de 30 minutos.
6. Pré-aqueça o forno a 180º
7. Num tabuleiro forrado com papel vegetal faça, com a ajuda de um saco de pasteleiro, tiras com aproximadamente 8 cm de comprimento, deixando um espaço de 4 cm entre as tiras.
8. Reduza a temperatura do forno para 160º e leve ao forno cerca de 30 a 40 minutos ou até dourar. Desligue o forno e mantenha o tabuleiro no seu interior, deixando arrefecer cerca de 15 minutos com a porta entreaberta. No fim do tempo, retire os éclaires e deixe arrefecer.
9. Com a ajuda de uma faca, corte os éclaires ao meio e recheie a gosto.



Sugestões para o recheio: compota, chocolate, manteiga, patê. 

23.1.16

Hamburgueres de tofu, curgete e cenoura

Cozinhar pode ter tanto de terapêutico como de frustrante. Não há dois dias iguais e o resultado das horas passadas na cozinha depende muito do nosso estado de espírito.
Predispormo-nos a testar uma receita pela primeira vez, num momento em que estamos com mil e uma coisas na cabeça - trabalho, contas para pagar ou outros assuntos para resolver - é meio caminho andado para não nos sentirmos particularmente inspirados. Eu já devia saber isso... É muito provável que, o que quer que estejamos a fazer, não corra especialmente bem e a tendência para complicar surge sempre nestes dias.

Ontem ao fim tarde, andava à procura de uma receita que rendesse duas refeições [jantar e almoço de hoje] e lembrei-me destes hamburgueres de tofu, curgete e cenoura que já andava para experimentar há algum tempo. Como tinha todos os ingredientes necessários, decidi avançar.

Começo por vos mostrar a receita. Desta vez não vou ajudar com adaptações à bimby nem com o peso dos ingredientes descriminado em gramas, uma vez que a minha experiência só correu bem à terceira tentativa. Recomendo antes que sigam a receita original.


HAMBURGUERES DE TOFU, CURGETE E CENOURA
[Receita do blog Love with knives]

Acompanhei com fusilli biológico do ALDI

Ingredientes:
- 200g tofu
- Azeite
- 1 dente de alho
- 1 cebola
- 1 curguete
- 1 cenoura
- 2 ovos
- Cebolinho (opcional)
- Pão ralado (equivalente a 4 tostas integrais) - usei pão ralado aromatizado com alho e coentros
- Sal e pimenta

Preparação:
1. Descascar e picar o alho assim como a cebola. Refogar em azeite. Retirar e reservar. 
2. Lavar a curgete e a cenoura, retirar as extremidades e ralar para um recipiente. 
3. Escorrer o tofu e ralar para o mesmo recipiente dos legumes. 
4. Juntar o cebolinho a esta mistura bem como os ovos batidos e o refogado. Temperar com sal e pimenta.
5. Saltear em lume brando wok ou frigideira grande (adicionar mais um pouco de azeite, se necessário).
6. Desfazer as tostas (ou usar o pão ralado se o tiver) e envolver no preparado. 
7. Moldar em forma de hamburgueres. Fritar ligeiramente em azeite até dourar. 
8. Levar ao forno cerca de 10 minutos a 180º para dar consistência ao interior dos hamburgueres.



A minha experiência...

Primeiro erro: não segui exactamente a receita. Piquei a cebola e o alho na bimby, fiz o refogado e, como não me apetecia sujar mais loiça, em vez de saltear na wok, continuei a cozinhar na bimby até à parte de juntar o pão ralado. O efeito pretendido não foi o mesmo da receita original.

Segundo (possível) erro: a lista de ingredientes pede apenas uma cenoura e uma curgete, não especificando pesos. Basta ter usado legumes um pouco maiores para o resultado já não ser o mesmo.

Problema: Os ingredientes não uniram bem e, nas primeiras duas tentativas, os hamburgueres desfizeram-se completamente! Mal conseguia colocá-los na frigideira, quanto mais virar. Comecei a ficar irritada e com vontade de atirar tudo pela janela... [sim, eu também tenho esses momentos!]. Até que decidi ser racional e percebi que seria um disparate dar-me por vencida. Aquilo não era um drama... O único problema era a mistura não estar suficientemente consistente ao ponto dos hamburgueres ficarem firmes.

Solução: mais um ovo e mais pão ralado. E à terceira os hamburgueres lá se aguentaram.


Lição do dia:


17.1.16

Workshop Papas Real

"Papas de aveia?? Tu foste a um workshop de papas de aveia?!"
Esta é a reacção das pessoas a quem digo que participei num workshop exclusivo sobre papas, num misto de espanto e curiosidade sobre o que haverá para aprender sobre o tema. Eu compreendo... A primeira vez que ouvi falar em workshops de papas de aveia, imaginei que este seria um tipo de refeição demasiado aborrecido para se falar durante mais que meia hora. Para além disso, não considerava estas papas particularmente atractivas para comer todos os dias.

A verdade é que, quando nos preocupamos com a alimentação, passamos a dar muito mais atenção a todas as refeições e à importância daquilo que ingerimos em cada uma delas. A minha opinião já havia mudado o suficiente para fazer sentido participar num destes workshops e já tinha decidido que, se algum dia o fizesse, seria com a Catarina Beato [Dias de uma princesa]. Hoje foi o dia.

Enquanto a receita base das papas de aveia era servida, a Catarina assegurou que deixava as melhores para o fim. Ocorreu-me que talvez a primeira papa fosse ligeiramente sem graça... Assim que provei, e para minha surpresa, gostei de imediato! "Isto só pode melhorar", pensei. 
Segue-se uma receita com ingredientes como cenoura, tâmaras e geleia de milho e, novamente, alguma incerteza em relação ao resultado... Até provar! A Catarina sabe exactamente como conjugar sabores. A partir daí já estava perfeitamente confiante de que não iria provar nada que me desagradasse. E foi exactamente o que aconteceu.

Se estiverem na dúvida sobre a utilidade de participarem nestes workshops, garanto que, tal como eu, vão ficar agradavelmente surpreendidos com o resultado e com as diferentes papas que podemos fazer com meia dúzia de ingredientes. A Catarina explica tudo de uma forma muito acessível e vai dando muitas dicas sobre alimentação saudável. 

As datas dos próximos workshops estão disponíveis aqui. Aproveitem pois serão os últimos deste ano!


15.1.16

Empadas XL de soja e caril

Estas empadas eram, originalmente, umas almofadinhas de soja e caril do livro das 150 Melhores Receitas de 2011 mas, como na altura em que fiz não tinha tempo para dobrar tanto salgado, decidi alterar o formato para facilitar a tarefa. 
O recheio fica semelhante ao das chamuças e tem um sabor maravilhoso devido às especiarias que deixam a soja bastante apurada. Quem não saiba que não são de carne, facilmente acredita que se trata de uma empada com carne picada. 


EMPADAS XL DE SOJA E CARIL
[Rende 3 unidades em tarteiras de 15 cm]


Ingredientes para a massa:
- 250g farinha tipo 65
- 100g manteiga
- 1 ovo
- 1 colher de sopa de leite
- Sal fino q.b.
- Farinha q.b. p/ polvilhar
- 1 gema de ovo batida para pincelar
- Água q.b. p/ pincelar

Ingredientes para o recheio:
- 400g água quente
- 75g soja granulada fina
- 150g cebola
- 2 dentes de alho
- 75g cenoura
- 100g tomate (ou polpa de tomate)
- 30g azeite
- 2 colheres de chá de caril
- 1 colher de chá de colorau
- 100g vinho branco
- Sal q.b.
- 2 colheres de sopa de salsa picada

Preparação da massa:
1. Coloque todos os ingredientes no copo e programe 15 seg/ vel. 6. Retire e reserve.

Preparação do recheio:
2. Pese numa taça a água quente e coloque a soja de molho para hidratar.
3. Coloque no copo a cebola, o alho, a cenoura, o tomate e o azeite e pique 5 seg/ vel. 5
4. De seguida refogue 5 min/ Varoma/ vel. 1
5. Adicione a soja bem espremida, o caril, o colorau, o vinho e o sal e programe 10 min/ Varoma/ vel. 1
6. Adicione a salsa picada e envolva com a espátula.
7. Com a ajuda de um rolo, estenda a massa numa superfície lisa até ficar com uma espessura de aproximadamente 2 mm. Vire uma tarteira ao contrário e pressione sobre a massa de forma a marcar um círculo com o seu diâmetro. Repita o processo de acordo com o número de tarteiras que utilizar. Corte os círculos para as tampas.
8. Com a restante massa, forre o fundo e a lateral das tarteiras [tenha atenção à espessura da massa, pois caso não fique fininha, não conseguirá forrar na totalidade], coloque o recheio até cima e feche com o círculo previamente cortado.
9. Pré-aqueça o forno a 180º
10. Pincele as empadas com a gema de ovo batida e leve ao forno cerca de 20 minutos. Poderá servir frias ou quentes, com uma salada.

14.1.16

Empadão de frango

O empadão é, provavelmente, das receitas mais versáteis já que é possível fazer diferentes versões com quase tudo. Puré ou arroz, vários tipos de carne ou peixe e até opções vegetarianas... São muitas as hipóteses, tantas quantas a imaginação permitir. Pode ser também uma forma de dar nova vida a algumas sobras que andam pelo frigorífico.

Neste caso, trata-se de um empadão económico de peito de frango, muito fácil e saboroso. Pode ser também uma sugestão para famílias mais pequenas que fazem jantar a contar com a marmita do dia seguinte.


EMPADÃO DE FRANGO
[Para 4 pessoas]


Ingredientes para o recheio:
- 1 cebola grande
- 2 dentes de alho
- 100g polpa de tomate
- 30g azeite
- 2 peitos de frango grandes cortados em cubos (aproximadamente 500g)
- 1 folha de louro
- 1 caldo de carne
- 50g vinho branco

Ingredientes para o puré:
- 800g batata cortada aos cubos
- 800g água [TM5: 1000g água]
- 120g leite
- 30g manteiga
- 1/2 colher de chá de sal
- Pimenta e noz moscada q.b.

Preparação do recheio:
1. Coloque no copo a cebola, o alho, o azeite, a polpa de tomate e pique 5 seg/ vel. 5. Baixe com a ajuda da espátula o que ficou na parece do copo e refogue 7 min/ Varoma/ vel. 1
2. Adicione a carne, o caldo, o vinho e a folha de louro, envolva com a ajuda da espátula e programe 12 min/ 100º/ colher inversa/ vel. colher.
3. No fim do tempo, retire a folha de louro e desfie 3 seg/ colher inversa/ vel. 4. Retire e reserve num pyrex.


Preparação do puré:
4. Coloque no copo a água, o cesto com as batatas e programe 30 min/ 100º/ vel. 4
5. Pré-aqueça o forno a 180º
6. Retire o cesto com a ajuda da espátula e deite fora a água da cozedura. Coloque no copo a batata, o leite, o sal, a pimenta e a noz moscada e programe 2 min/ 90º/ vel. 2
7. Adicione a manteiga e triture 40 seg/ vel. 4. Distribua o puré por cima do recheio e pincele com gema de ovo. Decore a gosto com a ajuda de um garfo e leve ao forno cerca de 20 minutos ou até dourar.

12.1.16

Granola caseira

Tal como referi no último post de 2015, este ano vou trazer ao blog mais receitas saudáveis, demonstrando que uma alimentação equilibrada não tem de ser necessariamente aborrecida.
Hoje chegou a vez da granola, uma opção cada vez mais apreciada para os pequenos almoços mas nem sempre económica.

Embora já exista alguma oferta, é importante sabermos exactamente o que estamos comprar. Se lermos os rótulos com atenção, algumas granolas contêm adição de açúcares e outras, mais saudáveis, são bastante dispendiosas para consumirmos diariamente. Outro inconveniente é o facto de poderem ter ingredientes que não apreciamos [no meu caso, que não sou fã de coco, deparo-me frequentemente com ele nas versões de compra].

Felizmente, é muito fácil fazer granola caseira e temos inúmeras vantagens se formos nós a prepará-la: podemos colocar apenas os nossos ingredientes preferidos ou de acordo com a nossa dieta alimentar, sabemos exactamente o que estamos a consumir e podemos variar os sabores de cada vez que fazemos. Esta receita serve para isso mesmo: adaptar e variar.


GRANOLA
[Rende um pouco mais de 500g]


Ingredientes:
- 400g flocos de aveia integrais
- 70g sementes (sésamo, girassol, abóbora... ou uma mistura de várias)
- 70g frutos secos (amêndoa com pele, avelã, pistácio, miolo de noz... ou uma mistura de vários)
- 50g flocos de coco ou coco ralado (opcional)
- 50g mel
- 40g azeite ou óleo de coco
- 1 colher de sopa de canela (opcional)

Preparação:
1. Pré-aqueça o forno a cerca de 150º.
2. Coloque os flocos de aveia numa taça grande. Reserve.
3. Coloque no copo o mel e o azeite e aqueça 2 min/ 100º/ vel. 1.
Método tradicional: coloque o mel e o azeite numa frigideira e leve a lume médio, mexendo sempre, até criar uma mistura homogénea.
Retire e envolva com os flocos de aveia.
4. Com a ajuda da espátula, adicione aos flocos as sementes, os frutos secos e o coco (opcional).
5. Coloque a mistura num tabuleiro forrado com papel vegetal e leve ao forno cerca de 30 a 40 minutos (ou até dourar), mexendo várias vezes para evitar que queime.
6. Retire do forno e deixe arrefecer. Guarde num recipiente hermético.



NOTA DA FORMIGA:
- Poderá enriquecer a granola adicionando no final (passo 6) bagas de goji, pepitas de chocolate negro, passas, fruta desidratada ou outros ingredientes semelhantes.

9.1.16

Caldo de legumes

Desde que tenho Bimby que um dos meus objectivos tem sido fazer cada vez mais coisas em casa e comprar menos já feitas. Pão, iogurtes, puré, pão ralado, pizzas... Um sem número de despesas mensais que tenho vindo a reduzir ao longo dos anos. O orçamento familiar agradece e a saúde também!

Hoje partilho convosco mais uma receita de algo que deixei de comprar para passar a fazer: caldos de legumes. É tão fácil e rende tanto que já não pondero sequer voltar a usar os famosos cubos. Para além de saber exactamente o que têm, são muito mais saudáveis.


CALDO DE LEGUMES CASEIRO



Ingredientes:
- 200g talo de aipo cortado [usei os talos e folhas à volta dos bróculos]
- 250g cenoura cortada em pedaços
- 100g cebola
- 100g tomate
- 150g curgete cortada em pedaços
- 1 dente de alho
- 50g cogumelos frescos
- 6 pés de ervas aromáticas variadas (ex: manjericão, tomilho, alecrim), só as folhas
- 4 pés de salsa
- 120g sal grosso marinho
- 30g vinho branco
- 1 colher de sopa de azeite


Preparação:
1. Coloque no copo todos os ingredientes excepto o sal, o vinho e o azeite e pique 10 seg/ vel. 7. Baixe com a ajuda da espátula o que ficou na parede do copo.
2. Adicione o sal, o vinho e o azeite e programe 35 min/ Varoma/ vel. 2 [TM5: 35 min/ 120º/ vel. 2], colocando o cesto sobre a tampa, em vez do copo de medida, para evitar salpicos.
3. No fim do tempo, coloque o copo de medida e triture 20 seg/ vel. 10. Retire para um recipiente com tampa hermética e guarde no frigorífico.



DICAS:
- 2 colheres de chá bem cheias de caldo equivalem a 1 cubo de caldo de compra.
- Para fazer um caldo de legumes use 1 colher de chá cheia de caldo para 500g água.
- A pasta de caldo pode ser guardada no frigorífico por vários meses.
- Se desejar reduzir o sal nesta receita, deverá guardar o caldo no congelador.


DICA DA FORMIGA:
- Poderá congelar a pasta em cuvetes para o gelo e, depois de congelado, retirar das cuvetes e guardar num saco.

6.1.16

Ao Novo Ano!


Nesta passagem de ano decidi que não iria comer passas, formular desejos ou cumprir outro tipo de ritual típico deste momento. Limitei-me a assistir tranquilamente e na melhor companhia aos fogos de artifício, numa espécie de secret spot de onde é possível assistir em simultâneo a três dos espectáculos mais emblemáticos: Terreiro do Paço, Cacilhas e Parque das Nações.
Resolvi entrar em 2016 de uma forma diferente: agradecendo pelo ano que passou. Por tudo o que consegui alcançar, por fazer aquilo que gosto e poder viver disso, por ter saúde, por estar rodeada das minhas pessoas, pelos que se aproximaram com boas intenções e ficaram, pelos que se revelaram de forma negativa e dos quais me afastei [faço questão de agradecer por isso, ao que chamo de selecção natural].

Sou da opinião que as resoluções de ano novo são uma excelente forma das pessoas se enganarem. Tenho inclusivamente a impressão que muitos olham para a passagem de ano como uma espécie de Aladino a quem podem pedir doze desejos. E por isso aproveitam para pedir ao génio da lâmpada todas as coisas difíceis que não conseguem fazer sozinhos durante o ano: deixar de fumar, perder peso ou inscrever-se num ginásio. Estas e outras metas, aparentemente importantes, que teimam em estabelecer durante anos a fio no momento em que batem as doze badaladas, vão perdendo novamente força à medida que o dia 1 se afasta. Seguem-se infinitas desculpas para os fantásticos planos do ano novo não se concretizarem: falta de tempo, falta de dinheiro, falta de disponibilidade [física ou mental], falta de qualquer outra coisa que justifique a falta maior - de compromisso com eles próprios.

Acredito que a grande diferença reside no facto de interiorizarmos que a mudança está em nós e não no novo ano. É importante tomarmos consciência que todos os desejos formulados só serão alcançados se trabalharmos para isso e se realmente quisermos. Não basta pedir... E é por isso que não tenho nenhuma lista com 12 resoluções estrondosas para este ano [na verdade, sempre tive os pés na terra com os objectivos que pretendia para o ano seguinte].
Decidi que não vou começar o ano com intenção de... Vou fazer! Elaborei mentalmente o que pretendo concretizar e estou a trabalhar para isso.

Neste Dia de Reis em que se encerram as celebrações do Natal, faço votos para que não tenham pedido ao Aladino nada que não consigam concretizar. Acima de tudo é preciso querer muito! E não há nada mais motivante do que alcançarmos as metas definidas por nós, mesmo com todos os obstáculos que vamos encontrando no caminho.